Saturday, July 08, 2006

Doc

Já que recomendei o livro;
aqui está a capa do documentário.


























Quem puder assistir, vale a pena!

Sunday, June 18, 2006

Sky.fm - Mostly Classical

Encontrei esta rádio online há poucos dias.
Praticamente, não existe propagandas.

Pode optar por ouvir em três programas diferentes com diferenciados níveis de k bits/s.
Existem diversas escolhas de gênero, dentre elas, tem muita asneira, mas, só uma questão de ignorar.
Sou fascinado por música erudita, então, fica aqui minha recomendação.

O endereço é:
http://sky.fm/
http://sky.fm/classical/


Experimentem!

Saturday, June 17, 2006

A incrível viagem de Shackleton

A incrível viagem de Shackleton
Alfred Lansing

Livro que estou lendo agora.

No verão de 1914, Ernest H. Shackleton (Irlandês - 1874-1922), parte rumo à Antártica. Tal façanha já tinha sido tentada várias vezes, porém, nunca com total êxito. Shackleton, já havia participado de várias tentativas, mas nessa queria compensar todas as outras. Pretendia não apenas chegar lá, porém, cruzar todo o continente. A bordo do Endurance (Resistência), um barco especialmente construído para a façanha, Shackleton, sua fiel tripulação e cientistas, dentre biólogos e meteorologistas, rumaram para o Pólo Sul, que para
muitos, é o lugar mais inóspito do Planeta. A viagem ocorria perfeitamente, até o Endurance ficar preso dentro de banquisas e gigantescos blocos de gelo. Ótimo aventura. Uma verdadeira história de caramadagem e vontade de viver.

Segue um resumo propriamente dito:


Pouco antes da Primeira Guerra Mundial, sir Ernest Shackleton decidiu montar a primeira expedição que faria, por terra a travessia da Antártida. Antes da conquista do Pólo Sul pelo norueguês Amundsen em dezembro de 1911, Shackleon - um irlandês cujo espírito aventureiro se adaptara mal ao mundo de negócios - era um dos homens que sonhavam em ser o primeiro a pisar no Pólo: participou da exposição de Scott de 1901-04, mas teve que voltar à Inglaterra por doença, e em 1908-09 comandou sua própria expedição, que chegou a cerca de 150 quilômetros de seu objetivo.

A expedição Imperial Transatlântica deixou Londres em agosto de 1914, no mesmo momento em que eclodia a Grande Guerra. E, por mais ousados que fossem os planos de seu organizador e comandante, ninguém poderia prever a extraordinária aventura que aguardava seus 28 membros: devido à formação de gelo no mar de Weddell, o navio que os transportava, o Endurance, construído especialmente para a navegação em condições polares, não chegou sequer a atingir a costa da Antártida para desembarcar os expedicionários. Depois de vários meses preso num banco de gelo compacto, "como uma amêndoa numa barra de chocolate", o degelo da primavera só fez piorar a situação do Endurance, que acabou esmagado pela fortíssima pressão dos grandes blocos desprendidos e naufragou.

Começa então a parte mais incrível da aventura de Shacleton e seus homens. Acampados em condições precárias numa banquisa, só tendo conseguido recuperar parte das provisões e equipamentos transportados no Endurance, passaram cerca de seis meses à deriva no mar de Waddell, depois de algumas tentativas frustradas de completar a viagem a pé até o continente. Finalmente, o banco de gelo se separou em banquisas afastadas, e conseguiram lançar ao mar os escaleres que haviam recuperado do naufrágio. Ao cabo de violentas provações, chegaram a terra firme em uma ilha próxima da ponta da península antártica (então conhecida como península de Palmer), a ilha Elephant.

De lá, um grupo de seis homens comandado pelo próprio Shackleton empreendeu a façanha notável de atravessar numa pequena embarcação um trecho de 800 quilômetros que estão seguramente entre os mais assustadores do planeta, a temida passagem de Drake, varrida por ondas gigantescas e sujeira a condições climáticas inclementes, de frio intenso e ventos com força de furacão. Por fim, depois de duas semanas de navegação acidentada e de uma fantástica travessia a pé de um terreno nunca antes mapeado na ilha Geórgia do Sul, chegaram à estação baleeira norueguesa lá situada, de onde Shackleton retornou para resgatar seus companheiros, já quase desesperançados, acampados na ilha Elephant.

Em 1959, o escritor Alfred Lansig reconstituiu, a partir de documentos e entrevistas com sobreviventes, a incrível saga de Shackleton e seus homens. O livro conta essa aventura verdadeira com um eletrizante requinte de ação e detalhes, que supera qualquer coisas que pudesse ter sido escrita pelo ficcionista dotado da mais ousada das imaginações.

Criação

Caros "leitores",
Todos vocês sabem, que tenho habilidade alguma com letras.

Através deste, trabalharei nisso.